oiá

Repito o que recita o vento:

que as coisas vem a seu tempo,

que elas sabem qual tempo é o delas,

que esse tempo quase nunca é o dos viventes

mas que, assim sendo,

força é render-se á forca delas

movendo-se folha ao vento, rasgacéus,

deusa ciosa das coisas que lhe ofertem

e de cada corpo quando dance na f esta

em seu nome ao vento

veja-a: resplendente

aqui, já recontando

ali-epa, Oiá-Ó!

ricardo aleixo. “a roda do mundo.”

Repito o que

recita o vento:

que as coisas vem

a seu tempo,

que elas sabem

qual tempo é o delas,

que esse tempo

quase nunca

é o dos viventes mas

que, assim sendo,

forca é render-se

á forca delas

movendo-se folha

ao vento, rasgacéus,

deusa ciosa das coisas

que lhe ofertem

e de cada corpo quando

dance na f esta

em seu nome ao vento

veja-a: resplendente

aqui, já recontando

ali-epa, Oiá-Ó!

Repito o que

recita o vento:

que as coisas vem

a seu tempo,

que elas sabem

qual tempo é o delas,

que esse tempo

quase nunca

é o dos viventes mas

que, assim sendo,

forca é render-se

á forca delas

movendo-se folha

ao vento, rasgacéus,

deusa ciosa das coisas

que lhe ofertem

e de cada corpo quando

dance na f esta

em seu nome ao vento

veja-a: resplendente

aqui, já recontando

ali-epa, Oiá-Ó!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s