encontro – marina abramovic e ulay

há alguns dias atrás, este vídeo foi exaustivamente compartilhado nas redes sociais. motivos não faltam. é uma história muito bonita. não poderia deixar de guardá-lo aqui.

marina abramovic e ulay viveram juntos por alguns anos. durante este tempo, experimentaram uma relação forte, intensa, de muita intimidade e cumplicidade. trabalharam juntos, fizeram arte. a relação terminou 12 anos depois de um encontro, de uma paixão fulminante.
marina seguiu com sua arte mundo afora. um dia, em uma performance no MOMA, em nova york, na qual ela se dedicava a trocar um olhar, por um, dois minutos com qualquer pessoa que quisesse participar, ulay se sentou à sua frente. a surpresa, o afeto são evidentes no olhar de marina. e a marca de uma paixão de toda uma vida também. o vídeo consegue ser bonito e triste ao mesmo tempo. e muito emocionante.

o amor de verdade

Não é o amor o que une as pessoas. Sentimento abstrato este. Ave nossa! Não. Não é o coração que bate o olho e que escolhe.

Vejo esta foto, de meus pais. Cada um em sua juventude. Aqui, numa mesma pose à minha cabeceira. Duas vidas que se irmanaram.

Não foi o amor, repito, quem fez isto. O amor é invenção. Os dois aí não tinham tempo para floreios da imaginação. Nenhuma palpitação.

O que une as almas é o respeito gêmeo. E mútuo. A cumplicidade. A companhia. A amizade. A paciência. A crença de que, somados, burlaremos qualquer destino.

Vão dizer: e não é o amor, afinal, quem faz este milagre, etc. e tal?

Não, não é. É a realidade que faz o sonho, de verdade, acontecer.

Doa a quem doer. Um ao lado do outro, para sempre.

Fica mais fácil viver.

 

texto do querido Marcelino Freire, publicado no seu blog “ossos do ofídio“.

aqui bate um coração

aqui bate um coração, é uma intervenção que consistiu em colocar corações de isopor em estátuas das ruas de são paulo. uma provocação para ajudar a lembrar que eu, você, nós temos um coração.